17/06/12

Vivam, apenas

Vivam, apenas.
Sejam bons como o sol.
Livres como o vento
naturais como as fontes.
Imitem as árvores dos caminhos
Que dão flores e frutos
Sem complicações.
Mas não queiram convencer os cardos
A transformar os espinhos
Em rosas e canções.
E principalmente não pensem na Morte.
Não sofram por causa dos cadáveres
Que só são belos
Quando se desenham na terra em flores.
Vivam, apenas.
A morte é para os mortos.
                             José Gomes Ferreira

Há precisamente 35 anos, copiei este poema num postal que escrevi a uma namorada, assinalando o seu 21.º aniversário.
Hoje, ao copiá-lo aqui, envio um beijo de parabéns à mesma namorada de sempre.

3 comentários:

Olmanita disse...

Obrigada pelas recordações boas que este poema me trouxe... Beijinhos

Graciete Rietsch disse...

Parabéns à namorada de sempre por uma tão bela prenda do também seu namorado de sempre.

Um grande beijo para os dois.

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.