25/04/11

A Mesa dos Quatro Abades



A Mesa dos Quatro Abades é uma antiga tradição de Ponte de Lima, à qual existem referências documentais desde, pelo menos, 1775.


No terceiro domingo de Junho, os párocos das freguesias de Bárrio, Calheiros, Cepões e Vilar do Monte reuniam-se, em torno de uma velha mesa de pedra, para debater os problemas das quatro freguesias vizinhas e comiam um almoço em comum. É provável que, no fim, cada um deles dissesse o tradicional: «Comi como um abade!»


A velha mesa e os bancos de pedra ainda lá estão, num local onde se reunem caminhos provenientes das quatro freguesias. Desde 1988 a tradição foi retomada, mas o almoço é, agora, partilhado pelos presidentes das quatro juntas de freguesia.


Lembrei-me da Mesa dos Quatro Abades, hoje, dia 25 de Abril de 2011, quando a televisão me trouxe abundantes reportagens duma celebração que teve lugar no Palácio de Belém. Pareceu-me ver os quatro velhos abades, paternalmente preocupados com os problemas da paróquia, pregando a passividade ao rebanho e prescrevendo penitências aos seus paroquianos.


Nenhum daqueles quatro abades se reconhece, nem um bocadinho, responsável pelas opções que, ano após ano, levaram o país até à situação presente. No entanto, todos eles souberam louvar as virtudes da submissão e do sacrifício e souberam apelar a uma unanimidade bacoca, em torno da continuidade das políticas de que eles e os seus partidos foram executores.


Terminada a cerimónia pública, enquanto se dirigiam para o interior do palácio, pareceu-me imaginá-los a segredar uns para os outros: «Vamos continuar a comer como abades…»

9 comentários:

Graciete Rietsch disse...

Parabéns ,Eduardo pela analogia.
Os nossos quatro abades vão continuar a banquetear-se à mesa dos nossos sacrifícios. Mas a boa vida terá um fim quando o Povo se aperceber que é dele aquilo de que eles se apropriam.

Um beijo.

samuel disse...

Sempre comeram como abades. Ou melhor, segundo uma conhecida anedota, comeram que nem bestas, pois há muitos abades mais que decentes... :-)))

gm disse...

E como se não bastasse “eles comem tudo e não deixam nada”.

Jorge Aragão disse...

Amigo, que posso mais dizer?
Só espero que rebentem um dia de tanto comer, eles e os outros vampiros que aí andam....
É preciso manter o espírito de Abril e ter esperança que um dia destes o Povo corra os abades e faça um Mundo Novo a Sério...
Abraço.

Anónimo disse...

Comer como abades comem só os abades; os implicitos comem, como sanguessugas, ou como chulos sociais.O grave é que o repasto lhes é servido pelo povo, com pratos de ignorância e talheres de indiferença.Mas um dia o levantamento de rancho acontece, e aí...............
Rui Viana Jorge

António disse...

Permita-me que divulgue neste espaço o BLOG "O CASTENDO" de António Vilarigues. Seu pai Sérgio Vilarigues e sua mãe Maria Alda Nogueira passaram pelas prisões fascistas de Salazar e Caetano.

Mar Arável disse...

Eles comem tudo

Agora até pagamos para nos sepultarem vivos

MARIO disse...

Preferia ver os 4 abades a comerem juntos: assim toda a gente sabia o que eles eram e o que faziam - comiam, bebiam, arrotavam, contavam piadas sobre o corpo e o sangue de Cristo que todos os dias eram obrigados a comer. Agora nestes há até quem acredita que não arrotam nem dizem piadas e, ainda por cima, só querem o bem do povo. "Oh Portugal, se fosses só três sílabas..."

Anónimo disse...

São mais que abades, são confrades.Fazem os quatro parte da confraria que quer lixar o povo.

Um abraço.

J. Filipe